12 de dez de 2014

SIMBOLOGIA DAS PLANTAS

Pesquisa: Stella Fuser Bittar

“As formas visíveis são unicamente as expressões externas dos princípios invisíveis – o que cura não são somente os princípios ativos das plantas mas também a vibração energética que absorvemos através dela...assim, nós nos re-sintonizamos na sua freqüência entrando em contato com o tipo de energia e de função que ela carrega”.


 A RELAÇÃO ENTRE UNIVERSO
MUNDO VEGETAL E  HOMEM

Os Anciãos acreditavam que o universo é regido por 7 funções primárias que se manifestam em todos os níveis da existência, do macrocosmos da natureza, ao microcosmo, do homem. Tais forças que movem a existência foram representadas na nossa tradição greco-latina pelos Deuses do Olimpo indicando-nos, através da Mitologia, as leis que regem o mundo.

O homem, estando totalmente integrado à criação, pode buscar correspondências entre os elementos análogos entre o microcosmo e a natureza, regrupando-os  sob a mesma “assinatura”, ou seja, procurando observar as semelhanças, a identidade oculta entre planos diferentes, além das aparências.

Paracelso, médico, físico e alquimista do século XVI, fez progredir tal concepção hermética, segundo a qual, o homem é o espelho e a imagem fiel do universo.

No mundo vegetal, a relação com a função planetária, o tipo de força que molda a planta e que lhe dá tal ou tal forma, era chamada pelos Alquimistas de Signatura rerum = Assinatura
Através de sinais externos da planta (cor, forma, porte, odor...) chegava-se ao entendimento de sua vibração primordial, energia atrás da forma, podendo deduzir seu uso medicinal.

Ex: Eufrásia – pequena planta em forma de olho por muito tempo utilizada nos distúrbios oculares. Pesquisas farmacológicas atuais confirmaram suas propriedades oftalmológicas.

Este é um exemplo que simplifica esta lei. A assinatura vai mais além e prova que existem outras formas de relacionar, buscando “pontos comuns”, o “fio” que une coisas aparentemente diferentes (alegorias, analogias...)

ÓLEOS ESSENCIAIS
PARTICULARIDADES E RELAÇÕES


Dependendo da parte da planta de onde são extraídos os óleos essenciais, sua ação (nos níveis físico, mental e emocional) será diferente não somente devido às diferentes composições químicas mas também devido às relações simbólicas e marcas energéticas que carregam:

Óleos extraídos das Flores: Aromas delicados, intensos ou refinados, beneficiam o sistema cardíaco, acalmam as emoções e tensões físicas (cabeça, face, nuca e tórax). Estimulam o pólo mental - sensorial.
Exs: Jasmim, Rosa, Lavanda, Gerânio, Neroli, Camomila
Chacras: Coronário, Frontal, Cardíaco

Óleos extraídos das Folhas:  São energéticos, estimulam a mente, tonificam o corpo e favorecem o sistema respiratório.
Exs: Hortelã, Eucalipto, Sálvia, Manjericão, Alecrim
Chacras : Frontal, Cardíaco, Plexo-Solar

Óleos extraídos das Frutas: São nutritivos, dão sensação de frescor e equilibram as emoções, atenuam sensação de ansiedade.
Exs: Laranja, Limão, Tangerina
Chacra Plexo-Solar

Óleos extraídos das Sementes: Fortalecem o sistema digestivo, órgãos genitais assim como a função renal. Purificadores do organismo, são óleos que aliviam levando a energia de volta à terra.
Exs: Funcho, Cominho, Anis
Chacras : Plexo-Solar, Esplênico

Óleos extraídos do Tronco: Equilibram e centram. Favorecem a expansão de consciência, estabelecendo, ao mesmo tempo, o contato com a terra (galhos p/ o céu e raízes profundas na terra). Aliviam o medo fortalecendo nosso sentimento de segurança. 
Exs: Sândalo,  Cedro, Olíbano
Chacras: Esplênico, Básico

Óleos extraídos da Raiz: São nosso contato com a terra e reforçam a energia vital. Aliviam dores reumáticas e contraturas, atuam na falta de vitalidade, cansaço e depressão.
Exs: Gengibre, Vetiver
Chacras: Plexo-Solar, Esplênico, Básico

Óleos extraídos da Resina:  Controlam as secreções, o sistema glandular. Têm propriedades cicatrizantes, anti-inflamatórias e equilibradoras (corpo-mente-emoção)
Exs: Mirra, Olíbano
Chacra: Coronário



"La Nature est un temple où de vivants piliers 
Laissent parfois sortir de confuses paroles; 
L'homme y passe à travers des forêts de symboles 
Qui l'observent avec des regards familiers.

Comme de longs échos qui de loin se confondent 
Dans une ténébreuse et profonde unité, 
Vaste comme la nuit et comme la clarté, 
Les parfums, les couleurs et les sons se répondent.

Il est des parfums frais comme des chairs d'enfants,
Doux comme les hautbois, verts comme les prairies, 
Et d'autres, corrompus, riches et triomphants,
Ayant l'expansion des choses infinies, 
Comme l'ambre, le musc, le benjoin et l'encens 
Qui chantent les transports de l'esprit et des sens."

Charles Baudelaire - Les Fleurs du Mal

A Natureza é um templo onde vivos pilares
Deixam às vezes soltar confusas palavras;
O homem o cruza em meio a uma floresta de símbolos
Que o observam com olhares familiares.

Como os longos ecos que de longe se confundem
Em uma tenebrosa e profunda unidade,
Vasta como a noite e como a claridade,
Os perfumes, as cores e os sons se correspondem.

Há perfumes frescos como as peles das crianças,
Doces como o oboé, verdes como as pradarias,
E outros, corrompidos, ricos e triunfantes,
Como a expansão das coisas infinitas,
Como o âmbar, o almíscar, o benjoin e o incenso,
Que cantam os transportes do espírito e dos sentidos.




Nenhum comentário:

Postar um comentário